Obras inéditas e séries premiadas incluídas no portfolio da galeria GENUINAOBRA, de Porto Alegre

Posted in Uncategorized on dezembro 5, 2013 by flavyamutran

site-1

Trabalhos da premiada série THERE’S NO PLACE LIKE 127.0.0.1 e outros ensaios inéditos são incluídos no portfólio digital da galeria gaúcha GENUINAOBRA , de Viviane Possa e Nonô Joris. Acesse o portfólio da galeria aqui: http://genuinaobra.com.br/

Artistas como Marcos Sari, Claudia Barbisan, Val Schneider, Gisela Martins Waetge, Flavya Mutran, Augusto Lima, Sandro Ka, Dulphe Pinheiro Machado, Eduardo Gazalle Marco, Rochele Zandavalli, Felipe Caldas, Tadeu Vilani, André Venzon, Vinício Giacomelli, Viviane Possa, Sandra Rey, Frantz Soares, Edgar Haczkiewicz Powarczuk, Renan Santos e Fernanda Valadares, entre outros, integram o grupo que investiga diferentes meios de expressão em  fotografia, pintura, desenho, vídeo e etc.

Untitled-1

Abaixo, Viviane Possa, Nonô Joris (Genuinaobra ) e Tais Mallaguez (Bó Jeito de Morar) comemoram a parceria em projetos de exposição e novas ideias.

1475859_488949997887660_247917936_n

Voltado não só para o Mercado de colecionadores de arte brasileira contemporânea, a GENUINAOBRA também investe em parcerias com produtores culturais, arquitetos, pesquisadores e críticos de arte. Ações como o Projeto Simultaneidade e a mostra O tempo é minha casa surgiram do interesse comum pela troca de experiência e de simultaneidades afetivas e criativas que pretendem valorizar espaços que guardam as memórias da cidade, transformando-os em núcleos de convívio.

1487345_207354522784209_1571669489_n

O complexo arquitetônico Vila Flores (no bairro Floresta em Porto Alegre/RS) é formado por 2 prédios, um galpão e um enorme pátio interno,  e foi desenhado e construído na virada da década de 1920/30 pelo arquiteto e engenheiro Joseph Lutzenberger, pai do famoso ambientalista do Rio Grande do Sul. O lugar está sendo revitalizado para abrigar projetos culturais, artísticos, comunitários, musicais, educativos, ambientais e tudo o que a nossa habilidade colaborativa permitir.

image001

Ativar estas memórias e reinventar os usos, permanências e passagens da cidade é uma arte, que nos inspira a revitalizar nossas relações cotidianas. Com esse objetivo em mente, diversos coletivos de diferentes cidades se reuniram para construir o Projeto Simultaneidade. São eles:

Projeto Simultaneidade (POA) – http://projetosimultaneidade.wordpress.com/

Vila Flores (POA) – http://www.vilaflores.net

Goma Oficina (SP) – http://www.gomaoficina.com

Projeto Vizinhança (POA) – http://www.projetovizinhanca.art.br

Geodésica Cultural Itinerante (FLP) – http://www.facebook.com/geodesicacultural

Casa da Cultura Digital (POA) – http://www.ccdpoa.com.br

Long Beach

Acima, a imagem escolhida para a instalação in situ num dos espaços da Vila Flores, da mostra O tempo é minha casa . Foto: Flavya Mutran, portfolio da GENUINAOBRA.

Algumas publicações em 2013

Posted in Uncategorized on dezembro 2, 2013 by flavyamutran

Em 2013, dois artigos, um ensaio e várias imagens das pesquisas recentes foram publicados em livro, revistas e anais de eventos e os compartilho nos links abaixo.

CSO’2013 – CRIADORES SOBRE OUTRAS OBRAS, em abril/2013 – Lisboa/Portugal.

O congresso CSO, organizado através de chamadas de trabalhos à escala internacional, acontece anualmente na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, com a proposta de reunir reflexões teóricas de artistas sobre as obras de outros artistas, que  testemunham a variedade da arte contemporânea e as novas identidades artísticas nos países emergentes, especialmente os do arco de expressão ibero-americano. O artigo “‘Grafotologias’: a arte de misturar escritas de Joan Fontcuberta” foi aceito completo e publicado  na revista GAMA N°2, sobre Estudos Artísticos (julho-dezembro 2013) pela Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa – Centro de Investigação e estudos das Belas-Artes. Aborda as relações entre a fotografia e os sistemas de comunicação a partir das obras do fotógrafo espanhol Joan Fontcuberta, que explora de maneira singular desde as contradições que cercam os avanços tecnológicos da era digital até os seculares processos de censura e negação da palavra associada à imagem.

Untitled2. 

Acima, detalhe da comunicação do artigo durante o Congresso CSO’2013, na FBAUL, em abril/2013 na cidade de Lisboa, em Portugal. Foto: Lauro Barbosa. Abaixo, o link com a versão digital da revista GAMA N°02, 2013, Vol. 1, n. 2, (julho-dezembro).

Untitled-1

Acesse a versão digital: http://issuu.com/fbaul/docs/gama2?e=0/1812088

22° ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS – ANPAP, em outubro/2013 – Belém/PA.

O artigo “Escrituras fotográficas no futuro analógico do pretérito digital”, foi aceito para comunicação e publicação nos anais do encontro anual da ANPAP, ligado às etapas de criação da série RASTER, da minha pesquisa de doutorado em Poéticas Visuais no Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais do Instituto de Artes da UFRGS (com BOLSA CAPES), o artigo  trata das relações entre a fotografia analógica e a digital e as implicações socioculturais geradas a partir desse contexto tecnológico serão analisadas segundo as ideias de Marshall McLuhan e Michel Frizot.

Slide 1

Comunicação no comitê de Poéticas Artísticas do 22° Encontro da ANPAP. Abaixo, o link com a versão completa do artigo.

Versão digital dos Anais do 22° Encontro da ANPAP: http://www.anpap.org.br/anais/2013/ANAIS/comites/pa/Flavya%20Mutran%20Pereira.pdf

PORTO ARTE N°32 REUNE ARTIGOS SOBRE AS QUESTÕES DOS MÚLTIPLOS NA ARTE, em dezembro/2013 – Porto Alegre/RS.

Acaba de ser lançado o N°32 da Revista PORTO ARTE, do Programa de Pós-graduação em Arte da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, sob a coordenação geral da Profª Drª Maristela Salvatori, com artigos que tratam das inúmeras abordagens sobre processos e obras de Múltiplos na arte Contemporânea. O ensaio “Distopias anacrônicas: tensões construtivas entre imagem digital e artesanal”, escrito em parceria com o artista Jander Rama, mestre em Artes Visuais pelo IA/UFRGS. Os processos de construção de imagens que tomam o cruzamento como estratégia artística abarcam grande parte da produção atual em artes visuais. Neste artigo são abordadas as nossas produções recentes, cujas práticas transitam entre o anacronismo dos processos de produção de imagens manuais frente à visão distópica em relação aos avanços das imagens numerizadas. O trânsito destas produções entre a gravura, o desenho ou a fotografia levantam questões sobre as tensões e deslocamentos do sujeito na arte contemporânea, provocadas pelo embate entre novas e velhas tecnologias.

PORTO ARTE Revista de Artes Visuais n.32 PPGAV-IA-UFRGS. Maio 2012 - online

Capa da revista Disponível em: http://seer.ufrgs.br/index.php/PortoArte/article/view/43766

‘ESPELHO FEITO DE SOMBRAS’ E ‘I.M.A.G.É.T.I.C.A.’: ENSAIOS DE TEXTO E IMAGENS PUBLICADOS EM REVISTA E LIVRO DA GOTAZ N°02 e GALERIA KAMARA-KÓ, ambas em Belém/PA.

I.M.A.G.É.T.I.C.A. é o título do livro recém-publicado pela Kamara-Kó Galeria e SECULT-PA, com os portfólios dos artistas que integram o staff da galeria. A versão digital está disponível no link abaixo: http://issuu.com/kamarakogaleria/docs/catalogokamarakogaleria 

Já o ensaio livre ‘ESPELHO FEITO DE SOMBRAS’ faz referência às questões que envolvem meu tema de pesquisa: identidade, autorrepresentação e compartilhamento de fotografias via web. Aborda semelhanças entre as fotografias e posturas de fotointernautas com as fábulas de Alice no país das maravilhas e no país dos espelhos, no número 2 da excelente e premiada revista GOTAZ#02, do estúdio GOTAZKAEN dos produtores culturais paraenses. http://www.gotazkaen.com/

Conta Flickr atualizada com imagens do estágio docência 2013.2

Posted in Uncategorized on novembro 21, 2013 by flavyamutran

atualização do blog em novo estágio

Página principal do banco de imagens criado para armazenar e divulgar as etapas de produção dos trabalhos realizados durante as etapas do estágio docência de Flavya Mutran na disciplina A IMAGEM FOTOGRÁFICA NA GRAVURA (tópico especial para graduação em Artes Visuais no IA/UFRGS), ministrado pela Prof. Dra. Maristela Salvatori. Outras atividades do semestre também foram documentadas, como por exemplo a visita da turma à Fundação Iberê Camargo, e os trabalhos dos alunos. Acesse http://www.flickr.com/photos/gravuranoia/

Coletiva ‘PHYSIS/SOMA – o corpo, a expressão e a poética do movimento’, em São Paulo até fevereiro de 2014.

Posted in Uncategorized on novembro 16, 2013 by flavyamutran

O projeto de livro de arte/exposição PHYSIS SOMA – o corpo, a expressão e a poética do movimento, das curadoras independentes Angela Magalhães e Nadja Peregrino, busca explorar a expressão do rosto, bem como do corpo em seu contínuo movimento e mutação. O patrocínio é da Allergan (incentivo lei Rouanet) que vislumbrou a possibilidade de comemorar os 20 anos do botox (ação corporal e terapêutica) por meio de um enfoque cultural e artístico, com produção da Apó Soluções e coordenação geral de André Dornelles.

image001

520_10151842785867054_245614070_n

A mostra coletiva reúne os artistas visuais Ana Dantas (RJ), Cassio Vasconcelos (SP), Edouard Fraipont (SP), Flavya Mutran (PA), João Penoni (RJ), Regina Silveira (SP) e Walter Carvalho (RJ).

Untitled-1

Com ênfase nas imagens fotográficas que exploram a expressão do rosto e o movimento do corpo, a mostra é composta de instalações, vídeo-arte e experiências multimídias, uma delas de caráter interativo. Trata-se de explorar a relação entre ciência e arte, geralmente tratadas como vertentes antagônicas que, hoje, se entrelaçam num campo multidisciplinar cada vez mais vasto. Desta forma, ao invés de seguir o caminho da propaganda convencional, a Allergan abre a possibilidade de difundir para um público mais amplo o papel dos intelectuais (filósofos, físicos e artistas, por exemplo) como produtores de conhecimento. A exposição e lançamento do livro aconteceram em São Paulo, na Casa das Rosas, na noite de 06 de novembro de 2013.

livro2-1

Para saber mais, acesse http://www.physis.art.br

The Rape of Europa: mito inspira e mobiliza a produção de artistas de cinco países.

Posted in Uncategorized on novembro 16, 2013 by flavyamutran

O projeto THE RAPE OF EUROPA (o Rapto de Europa) nasceu da parceria entre cinco instituições de ensino de artes de cinco países, com o objetivo de ressignificar o mito de criação do continente europeu na atual conjuntura internacional. Sob a organização geral da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa – FBAUL (Lisboa/Portugal), o projeto também conta com a participação de artistas da Faculty of Visual Arts and Design at the HKU (Uthrecht/Holanda), Facultat de Belles Arts de la Universitat (Barcelona/Espanha), Akademia Sztuk Pieknych (Lodzi/Polônia), e do Instituto de Artes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Porto Alegre/RS), no Brasil.

1379522_597858273605754_1961604943_n

Acima, cartaz de divulgação do projeto em Portugal e abaixo, o cartaz impresso na Polônia

europageschaakt

Em cada instituição um artista-curador convidou outro professor e estudantes para o desafio de realizar obras de gravura e/ou instalações gráficas em torno do mito. Exibidas simultaneamente nas cinco cidades participantes, as obras foram publicadas em livro e, ao término das exposições, passam a integrar o Acervo Artístico Institucional.

Do Instituto de Artes da UFRGS, participam das exposições os professores Maristela Salvatori (curadora) e Maria Lucia Cattani e os alunos e egressos Jander Rama, Karin Meneghetti, Flavya Mutran, Nara Amelia, Denis Nicola, Rafael Pagatini, Alice Porto e Ana Cândida Sommer.

MaristelaWEB (2)Acima, gravura de Maristela Salvatori e abaixo de Nara Amelia.

NaraAméliaWEB

Para visualizar a versão digital do catálogo do projeto acesso http://issuu.com/fbaul/docs/rapto_da_europa/19?e=7186499/5553079

 04

01

As exposições simultâneas foram abertas em 08 de novembro de 2013, respectivamente na Galeria da Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, Portugal, na Academie Galerie, Faculteit Beeldende Kunst en Vormgeving, Utrecht, Holanda, na Galeria Kobro, Akademia Sztuk Pięknych, Lodzi, Polônia, na Sala de Exposiciones de la Facultad de Bellas Arts de la Universitat de Barcelona, Espanha e na Sala João Fahrion, Reitoria da UFRGS em Porto Alegre.

CATTANIWEB (3)

Acima, Obra de Maria Lucia Cattani e abaixo de Rafael Pagatini. Ambos trabalham com processos de gravura com recorte a laser.

pagatiniWEB (2)

 

convite-sem-rape

Um seminário homônimo aconteceu na UFRGS pouco antes do vernissage com a participação dos professores Paulina Nólibos (Ulbra), Claudio Moreno e Francisco Marshall (UFRGS) que falaram sobre o mito de Europa e suas representações com enfoque nos aspectos Arqueológicos, e sob a ótica das Artes Visuais, da Dramaturgia, da Filosofia, da História, da Iconologia, da Literatura e demais ciências afins.

A_Venturella0107

A  partir da esquerda, Paulina Nólibos, Francisco Marshall, Maristela Salvatori e Claudio Moreno, após o seminário na Sala João Fahrion. (UFRGS, Porto Alegre/RS). Fotos de Ângela Venturella.

Rapto_FlavyaMutranpeq

Acima, O rapto de Blake – Díptico – Fotografia jato de tinta com pigmento mineral impresso em papel metalizado (à esquerda) e Gravura em água forte em ‘Chine-collé’ (1/10) sobre papel canson com impressão a jato de tinta (à direita). © Flavya Mutran

Abaixo, Flavya Mutran em foto de Angela Venturella.

A_1Venturella0129

SOBRE A OBRA de Flavya Mutran – O rapto de Blake

Segundo o mito grego sobre o rapto de Europa, às vésperas de Zeus sequestrá-la ela teria sonhado com duas mulheres que brigavam pelo direito de assumir sua maternidade. À procura de uma imagem síntese para ilustrar esse trecho do mito, encontrei uma gravura do artista inglês William Blake (1757–1827) como alegoria para a formação dos três continentes, com mulheres de três etnias diferentes. O sonho de Europa e a gravura de Blake parecem antecipar aspectos controversos sobre o antigo projeto de unificação europeia, me fazendo questionar sobre o quanto a ideia de um território comum ainda pode comportar de mestiçagem cultural e racial, ou de tolerância para diferenças políticas e religiosas.

O inconformismo às regras, um forte ideal libertário e uma indisfarçável predileção pelos temas gnósticos fez de Blake um artista atemporal. Sua gravura ‘A Europa sustentada pela África e pela América’ (1796) e trechos do poema ‘O casamento do Céu e do Inferno’ (1793) evocam, de maneiras diferentes, as contradições entre a matéria e o mundo interior, entre o sonho e os diferentes estados de percepção, sintetizando o conflito entre as duas entidades mitológicas sonhadas por Europa.

Foi a partir dessas referências que encontrei pontos de contato entre o mito, a obra de Blake e minha pesquisa sobre apropriação e transposição de imagens, tendo a fotografia como mediadora nos processos de impressão que misturam os meios digitais e técnicas manuais.

A partir de cópias em Xerox P&B da gravura citada de Blake e de fotografia de uma de escultura grega, foi feita a transferência para a placa de circuito eletrônico através do processo de gravura em metal por água forte. A placa extraída da gravura de Blake[i] foi digitalizada e impressa à jato de tinta com pigmento mineral em papel metalizado, já a placa com a cabeça dos woamn[ii] foi impressa em processo convencional de gravura, sobre papel de fibra natural manufaturado à mão e depois aplicado em ‘Chine-collé’ sobre papel canson 180g. O selo na forma de moeda e o fragmento do poema de Blake foram impressos a laser. ‘O rapto de Blake’ é, portanto, uma obra mestiça, impura quanto suas referências conceituais e datação histórica, fiel apenas às múltiplas experimentações no campo da arte.


Mínimo Múltiplo Comum: impressões artísticas únicas e variadas.

Posted in Uncategorized on setembro 3, 2013 by flavyamutran

mmca3comlinha_NEWO projeto mmC é um livro de artistas que nasceu durante a disciplina Laboratório de Pesquisa em Processos Reprodutivos, ministrada por Maristela Salvatori no programa de Pós-Graduação em Artes Visuais do Instituto de Artes da UFRGS (porto Alegre/RS 2013). Mais do que um trabalho final de disciplina, o projeto reuniu nove pesquisas em torno da questão do único e do múltiplo na arte contemporânea, com trabalhos sobre a materialidade e latências de processos de impressão com a fotografia, a gravura, o desenho e as artes gráficas.

O nome Mínimo Múltiplo Comum surgiu para equacionar a difícil matemática de divisão, subtração, adição ou multiplicação de interesses, metragens, tiragens e conceitos. Constituiu um lugar de trégua, uma ferramenta operacional, um espaço para realizar um trabalho múltiplo ou transpor uma ideia de múltiplo.

Participam do projeto: Alice Porto, Bethielle Kupstaitis, Flavya Mutran, Janaína Rodrigues, Kelly Wendt, Lívia dos Santos, Márcia Souza, Maristela Salvatori e Roseli Nery.

mmc

9305794104_4ea03a1e0b_z

marciaed-1

DSC01234 cópia

Denominador Comum é meu trabalho que integra o livro e que está ligado à série RASTER, da minha pesquisa de doutorado em Poéticas Visuais, e relaciona números, palavras e ima­gens que operam no mundo contemporâneo. São 20 bytes das 256 combinações possíveis de “zeros” e “uns” que compõem a representação de uma imagem digital, somados ao milenar e cotidiano ato de olhar o próprio rosto. Um só byte não chega ser uma fotografia, assim como o reflexo de um único rosto não representa a natureza humana em toda sua dimensão histórica, social e filosófica.

nova data de abertura ÚNICOS E MÚLTIPLOS_2agosto 2013  19h

Com uma tiragem limitada de 30 exemplares, sendo 20 numerados, mmC já foi exposto na coletiva ‘Únicos e Múltiplos: um mapeamento do livro de artistas no Rio Grande do Sul’ (em agosto de 2013, em Porto Alegre/RS); na Feira Internacional Tijuana (em São Paulo/SP); na mostra “Edição Limitada” (agosto de 2013 em Passo Fundo/RS) e na mostra [Lugares Livros] (outubro/novembro de 2013 em Pelotas/RS)

10560_10200380445261755_1009891119_n

1383238_658965684134205_60880928_n

Acima e abaixo, cartazes das Mostras coletivas onde o mmC participou: caxias do Sul e Pelotas, ambas no Rio Grande do Sul, sob a coordenação geral de Mara Caruso.

lugareslivro3

SP-ARTE/foto 2013

Posted in Uncategorized with tags , on agosto 18, 2013 by flavyamutran

Nos próximos dias 22 a 25 de agosto a Galeria Kamara-Kó, de Belém/PA, estará participando da maior Feira de Fotografia da América Latina: sp-arte/foto/2013.

Especializada na arte Fotográfica, a Kamara-kó é um espaço pioneiro na divulgação, exibição e comercialização de trabalhos de artistas paraenses, residentes ou não no Pará. Veja o portfólio dos artistas organizado por Makikó Akao e Keyla Sobral. http://issuu.com/kamarakogaleria/docs/catalogokamarakogaleria

FlavyaMutran2web

Foto que integra os trabalhos que estarão em exibição no stand da Kamara-kó galeria, de Flavya Mutran.

Diário do Pará - Edição Eletrônica

SERVIÇO

SP-Arte/Foto/2013

21 de agosto, quarta-feira, das 15h às 22h [abertura exclusiva para convidados]

22-25 de agosto, quinta a domingo, das 14h às 20h

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 635 outros seguidores