Das origens ao contemporâneo

Fotografia no Brasil, das pesquisadoras Ângela Magalhães e Nadja Peregrino. Rio de Janeiro/RJ/Brasil, 2004

Acima e abaixo, respectivamente, as capas dos livros ‘Fotografia no Brasil – Um Olhar das Origens ao Contemporâneo’, das pesquisadoras Ângela Magalhães e Nadja Peregrino, Editado pela Funarte em 2004 e ‘Mapas Abiertos, Fotografia Latinoamericano’, de Alejandro Castellote (Madri, Espanha), que tem fotos da fotógrafa Flavya Mutran, entre outros como destaques da fotografia Latino Americana contemporânea.

Livro \'Mapas Abiertos, de Alejandro Castellote (Madri, Espanha).

Duas publicações importantes para a fotografia Latino Americana foram destaques nos últimos anos. Ambos ricamente ilustrados e com textos precisos sobre a produção histórica e contemporânea no Brasil e nos países de origem latina, Mapas Abiertos e Fotografia no Brasil são obras obrigatórias para quem se interessa por fotografia e arte.

De autoria de Ângela Magalhães e Nadja Peregrino, o livro Fotografia no Brasil – um olhar das origens ao contemporâneo, publicado em 2004, é parte da Coleção História Visual criada pela Funarte em 1992, traz mais de 450 trabalhos de diversos autores, que mostram a trajetória da fotografia no país entre a fase pioneira do período imperial e a fase moderna. Foi lançado em São Paulo no mesmo dia em que outra importante publicação latino-americana sobre fotografia chegava ao Brasil, o livro Mapas Abiertos, Fotografia Latinoamericano, de Alejandro Castellote (Madri, Espanha), com a presença dos autores para autógrafos. Em ambas as publicações a produção paraense é destaque com os trabalhos de vários autores locais de diferentes estilos e temáticas. Segundo trecho de texto escrito por Juan Esteves* para o Fotosite, Do pioneirismo publicitário de Chico Albuquerque, chegam autores como Bob Wolfenson, Marcio Scavone, Arnaldo Pappalardo, Claudio Elisabetsky, J.R.Duran, Ella Durst, entre outros importantes. A partir do emblemático fotojornalismo da revista Realidade vem outra leva excepcional onde nomes como os de Claudia Andujar, Walter Firmo, George Love, David Zingg e Luigi Mamprim se tornaram ícones de uma era, e que pavimentaram o percurso de fotógrafos como Orlando Azevedo, Paulo Leite, Ed Viggiani, André Vilaron, Thiago Santana, José Bassit e André Cypriano. A importância do jornalismo independente das agências como a Focontexto, F4, Ágil, Fotograma e ZNZ, com fotógrafos como Juca e Delfim Martins, Nair Benedicto, Rogério Reis, Júlio Bernardes, Ricardo Chaves, Assis Hoffman, Rosa Gauditano, Emidio Luisi, Milton Guran, João Roberto Ripper, Sergio Zalis, entre outros, que se destacaram por prosseguir num caminho autoral, além daqueles inseridos nas publicações tradicionais, mas não menos autorais, como Pedro Martinelli, Cristiano Mascaro, Orlando Brito e Hélio Campos Mello. Há também relevantes anotações sobre a inserção da fotografia com a arte estabelecida e vice-versa, na aparição fundamental de trabalhos como os de Otto Stupakoff, Anna Bella Geiger, Antonio Saggese, Cássio Vasconcellos, Alex Flemming, Kenji Ota, Cris Bierrembach, Vilma Slomp, Gal Oppido, Claudio Feijó, Milton Montenegro, Penna Prearo, Eustáquio Neves, Flavya Mutran, Miguel Rio Branco e Vik Muniz, apenas para citar alguns. (…)’.*

Em 2004, Ângela e Nadja estiveram em Belém para o lançamento do livro e para uma palestra na Associação Fotoativa seguida de bate-papo sobre o panorama da Fotografia Brasileira em suas mais variadas regiões e vertentes.

*Juan Esteves é fotógrafo, crítico de fotografia e escreve para a revista Fotosite.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: