Matrizes estéreis

Primeiras provas de Fotogravuras em placas de circuito eletrônico com imagens de matrizes Bioshot. Estéreis porque não estão sendo produzidas para gerar cópias, e sim para me ajudar a pensar conceitos operacionais – ainda em processamento -, através de articulação prática. O tempo para transferência da imagem em fotogravura me remete aos procedimentos inicias dos daguerreótipos e suas matrizes únicas. O que estas placas de rostos sem olhos possuem do conceito de rostidade: MURO BRANCO – BURACO NEGRO, de Deleuze e Guattari? Diriam…

‘ é somente no buraco negro da consciência e da paixão subjetivas que se descobrirão as partículas capturadas, sufocadas, transformadas, que é preciso relançar para um amor vivo, não subjetivo, no qual cada um se conecte com os espaços desconhecidos do outro sem entrar nem conquistá-los, no qual as linhas se compõem como linhas partidas. É somente no interior do rosto, do fundo de seu buraco negro e em seu muro branco que os traços de rostidade poderão ser liberados, como os pássaros; não voltar a uma cabeça primitiva, mas inventar as combinações nas quais esses traços se conectam com traços de picturalidade, de musicalidade, eles mesmos liberados de seus respectivos códigos.’ (Giles Deleuze & Felix Guatarri; Mil Platôs, vol.03 Rio de Janeiro, Ed.34, 1996 – pp.59-60)

Outubro/2009 – POA/RS – © Flavya Mutran

Uma resposta to “Matrizes estéreis”

  1. Tudo aqui é tão instigante… vale a pena sonhar.
    Nisso sendo suscinto:)
    Bj

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: