Arquivo para março, 2010

IND!CIAL no SESC Boulevard/PA

Posted in Uncategorized with tags on março 29, 2010 by flavyamutran

O Serviço Social do Comércio (SESC) Pará, realiza no período de 04 de abril a 30 de maio o projeto IND!CIAL – Fotografia Paraense Contemporânea, com a instalação de obras de fotógrafos e artistas visuais paraenses contemporâneos, em grandes formatos e projeções multimídia, oficinas com grandes nomes da fotografia e performances de música, teatro, dança e literatura, que vão marcar o inicio das atividades do novo espaço do SESC Pará, o Centro Cultural SESC Boulevard. Com programação gratuita, as inscrições para as oficinas poderão ser feitas na gerência do SESC Boulevard e a exposição pode ser vista de terça a domingo, no prédio anexo ao Centro Cultural.

SERVIÇO: IND!CIAL – Fotografia Paraense Contemporânea

Período: 04 de abril a 30 de maio de 2010. Local: Centro Cultural SESC Boulevard e anexo. (Av. Boulevard Castilho França, nº 522/523). Informações: (91) 4005-9578

Acima, a imagem da série ‘There’s no Place like 127.0.0.1’ exposta na Mostra do SESC. ©Flavya Mutran

http://www.sesc-pa.com.br ou e-mail: sescboulevard@pa.sesc.com.br

Inscrições das Oficinas: Gerência do SESC Boulevard (Av. Assis de Vasconcelos, nº 359, 2º andar / sala 206) PROGRAMAÇÃO GRATUITA

Anúncios

Salão Diário

Posted in Uncategorized with tags , , on março 14, 2010 by flavyamutran

Três fotografias da série ‘There’s no place like 127.0.0.1’ foram selecionadas para o I Prêmio Diário de Fotografia Contemporânea, em Belém/PA.  O salão é um projeto nacional promovido pelo jornal “Diário do Pará – Rede Brasil Amazônia de Comunicação” e que abrange a fotografia em toda sua diversidade. Tendo como tema de estréia “Brasil Brasis”, o objetivo do projeto é oferecer ao artista uma ampla abordagem sobre este universo temático, já que tanto a arte como a identidade na história contemporânea se constroem como campos culturais híbridos. Abaixo, o conjunto das imagens. ©Flavya Mutran

As imagens que foram selecionadas para a Mostra fazem parte da pesquisa de Mestrado iniciada em 2009 e desenvolvida no IA/UFRGS, em Porto Alegre/RS. Partindo-se do conceito de Rostidade[1] (Visagéité) de Gilles Deleuze e Félix Guattari – tendo o rosto como paisagem-mapa que inaugura uma nova fronteira para territórios de subjetivações e significações -, constrói-se uma série de fotografias com fragmentos de autorretratos apropriados de fotoblogs, que são manipulados digitalmente e em seguida projetados em superfícies de espelhos, transparências e impressos. A presença ou ausência do ‘muro-branco, buraco-negro do rosto’ sugerido pelos autores franceses inspira a série ‘There’s no place like 127.0.0.1’[2], pois mais do que inventar uma maneira de materializar as imagens nômades que circulam pela web, simula visitas a lugares virtuais, traçando paralelos entre os conceitos de identidade e a noção de território que se estabelece entre o meio físico e digital. Mais informações aqui: http://www.diariodopara.com.br/noticiafullv2.php?idnot=81901


[1] Em suas articulações teóricas, Deleuze e Guattari formularam a complexa idéia de uma máquina abstrata de rostidade que seria responsável pelo processo de produção social, política e ideológica que constitui um rosto. Funcionando como uma espécie de biopoder introjetado em diferentes camadas sociais, esse mecanismo mental teria iniciado seu trabalho ao longo da história e nos dias de hoje seria responsável pela tessitura das redes de conexões na sociedade. DELEUZE, Gilles &. GUATTARI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia, Vol.4. Rio de Janeiro: Ed.34, 1996.

[2] Os números ‘127.0.0.1’ representam o número IP (Internet Protocol), ou o endereço padrão de um computador. É o que define o localhost de qualquer máquina conectada a uma rede. Em outras palavras, a frase ‘There’s no place like 127.0.0.1’, muito popular entre os geeks, significa o mesmo que dizer ‘não existe lugar como meu computador’, meu localhost. Não existe lugar como o meu lar!

Abaixo, foto do vernissage do Prêmio Diário de Fotografia Contemporânea, com detalhe da montagem da série ‘There’s no place like…’ ©Flavya Mutran, cedida por Vânia Leal.

Para ver o catálogo da exposição, clique no link abaixo:

http://issuu.com/flavyamutran/docs/catalogopremio2010

Autorretrato líquido

Posted in Uncategorized with tags , on março 11, 2010 by flavyamutran

 

‘Pandora de água’ – Fotografia em P&B montada entre lâminas de água e óleo. tamanho 30×40 cm. Belém/PA – 1995 © Flavya Mutran

Acima e abaixo, imagens da primeira série de autorretratos reflexivos. Começou assim: Um dia ‘ele’ me fotografou e depois resolveu abdicar do registro do próprio olhar (inalienável como determina a lei do direito autoral?) quando me quis fora do alcance da vista. Dores à parte, com os negativos dos filmes dele nas mãos pude me reapropriar do meu corpo de um ângulo novo. Olhar alheio que me colocou diante de um dos maiores imperativos  autorreflexivos de todos os tempos: os limites do círculo íntimo-esfera pública.

Detalhe da instalação de trabalhos da série ‘Pandora de água’. © Flavya Mutran

Mulheres da Casa

Posted in Uncategorized on março 10, 2010 by flavyamutran

 

O Museu de Arte Contemporânea Casa das Onze Janelas / SIM / SECULT, apresenta no mês que se comemora o Dia Internacional da Mulher , uma exposição somente com obras de artistas mulheres pertencentes ao seu acervo. Nomes como ADRIANA VAREJÃO, ANA BELLA GEIGER, ANA CATARINA, ANA HORTA,ANDRÉA FEIJÓ,ANTONIETA SANTOS FEIO, BEATRIZ MILHAZES,BERNA REALE, CÉLIA EUVALDO, CLAUDIA LEÃO , DANIELLE FONSECA, DINA OLIVEIRA, ELAINE TEDESCO, ELIANE PROLIK, ELIENI TENÓRIO, ERLI FANTINI, ELZA LIMA, FLAVYA MUTRAN, FRIDA BARANECK, IZER CAMPOS, KEYLA SOBRAL, LEDA CATUNDA, LEILA JINKINGS, LIGIA ARIAS, LISE LOBATO, LETÍCIA FARIA, MABE BETHÔNICO, MARIA CHRISTINA, MELISSA BARBERY , NAZARÉ PACHECO, NINA MATOS, PAULA SAMPAIO, ROBERTA CARVALHO, ROSANGELA BRITTO, SANCHRIS, TARSILA DO AMARAL,THEREZA  PORTE, TOMIE OHTAKE e WALDA MARQUES representarão a atuação feminina nas artes visuais através desta mostra..

Período: 09 a 31 de março. Local: Sala Valdir Sarubbi

O Museu Casa das Onze Janelas fica na Praça Frei Caetano Brandão s/ nº, Cidade Velha- Belém/PA. CEP: 66020-310. Funcionamento: de terça a domingo das 10h às 16h – feriados das 09 às 13h.  Ingresso: R$2,00.  Todas as terças-feiras do ano a entrada é franca