Arquivo para fevereiro, 2012

Séries de fotos dos anos 2000, em março, na Kamara Kó Galeria.

Posted in Uncategorized on fevereiro 22, 2012 by flavyamutran

No próximo dia 09 de março deste ano, será aberta a Mostra FILE 00, minha nova individual com imagens de três séries fotográficas distintas produzidas entre 2000 e 2011. A mostra reúne trabalhos inéditos e premiados das séries QUASE MEMÓRIA (2000-2004), THERE’S NO PLACE LIKE 127.0.0.1 (2009-2010) e MAPAS DE RORSCHACH (2011), todas relacionadas com pesquisas em torno da transposição de técnicas e suportes da fotografia enquanto possibilidade de investigação de temas ligados à memória, identidade, matéria e ficções narrativas.

A série QUASE MEMÓRIA marca o início das minhas investidas em manipulações de imagens preexistentes, pois misturam chromos 35mm do meu acervo de família e sobras de meus trabalhos profissionais. São justaposições de fotos que embaralham épocas e olhares diferentes, expondo a fragilidade da relação entre a matéria e a memória, seja física – corpo, papel, negativo e cópia -, seja virtual  -lembranças, sensações, esquecimentos. Três obras dessa série integram a coleção PIRELLI/MASP de 2004, e também premiadas no Arte Pará (2002) e no VIII Salão Unama de Pequenos Formatos (2002).

À esquerda, imagem da série ‘There’s no Place…‘(s/título – 2010) e à direita, ‘Por Causa de Você’, da série Quase Memória, ambas na mostra FILE 00. © Flavya Mutran

Já as imagens de THERE’S NO PLACE LIKE 127.0.0.1 abordam outro tipo de relação entre o corpo físico e o virtual, ao explorar os limites da apropriação da imagem privada de anônimos públicos. Um novo recorte mostrará trabalhos que não foram exibidos na mostra Pretérito Imperfeito de Territórios Móveis no Espaço Cultural do Banco da Amazônia em novembro de 2011.

s/título, série MAPAS DE RORSCHACH, 2011 ©Flavya Mutran

Os trabalhos mais recentes são as fotografias da série MAPAS DE RORSCHACH, espécies de cartografias elaboradas a partir de borrões em paredes, muros, pisos e tetos de Porto Alegre que me remetem às lembranças de Belém. As imagens dessa série sugerem leituras de superfícies como se fossem mapas para lugares onde (re)encontro rostos que habitam entre essas duas cidades, ou apenas são fantasmas da minha imaginação. Parte da série foi apresentada pela primeira vez no ARTE PARÁ Ano Trinta, em outubro do ano passado, e mesmo distante quase uma década dos primeiros trabalhos dos anos 2000, confirmam uma espécie de grafia própria, ou uma espécie de idioleto Barthesiano que teima em escrever (ou apagar) ficções baseadas em fotos e histórias reais.

A exposição é uma realização da Kamara-Kó galeria, com patrocínio da BLB Eletrônica, apoio institucional da Lei Tó Teixeira, FumBel e Prefeitura de Belém, e apoio cultural da Grand Cru. Todos os trabalhos estarão à venda e o texto de apresentação é de Mariano Klautau Filho. Informações e agendamentos: (91) 32614809 | (91) 32614042 | kamarakogaleria@gmail.com | www.kamarakogaleria.com

Olhares tão longe, tão pertos…

Posted in Uncategorized on fevereiro 12, 2012 by flavyamutran

A mostra 100 menos 10, que abre na próxima segunda-feira, dia 13 de fevereiro de 2012 (Galeria Theodoro Braga, CENTUR, Belém/PA), reunirá trabalhos de Alan Soares, Alberto Bitar,  Drika Chagas, Elza Lima, Emídio Contente, Fatinha Silva, Flavya Mutran, Ionaldo Rodrigues, Luciana Magno, Michel Pinho, Miguel Chikaoka, Luiza Cavalcante, Pedro Cunha, Roberta Carvalho e Walda Marques, que produziram diferentes maneiras de (re)ver obras e realizadores da histórica semana de 1922, marco do Modernismo na Arte Brasileira.

Provocados pelo artista e curador Guy Veloso, as novas conexões, citações e interpretações que os 15 artistas – sendo 13 diretamente ligados à fotografia -, fizeram sobre o olhar futurista de artistas do passado, levanta questões sempre exploradas no campo da arte, relacionadas com o tempo, a identidade individual e a coletiva, Cultura popular e erudita, sistema das artes, meios e formas de apresentação. Pra mim foi dada a oportunidade de reler as obras de Tácido de Almeida e de Vicente do Rego Monteiro, um das letras outro da pintura, ambos pouco conhecidos por mim, mas ao mesmo tempo estranhamente familiares.

Acima, a obra ‘Mulher Sentada’ de Vicente do Rego Monteiro (s/ data), e à direita ‘myself’ foto de Flavya Mutran (2012) exposta na Mostra 100 menos 10.

As obras de Vicente do Rego Monteiro, de uma volumetria à flor da pele, me remeteram às dobraduras do papel, às camadas de tinta e às dobras do corpo que sugerem o (auto)toque, o aconchego da intimidade, do colo. Dessa vontade inexplicável e proibida que temos de tocar algumas obras de arte, de profaná-las com as mãos, é que ‘myself’’ surgiu, como se fosse possível simular digitalmente o que minhas digitais jamais poderão tocar….

Acima, ‘mata web’ ©Flavya Muntran, fotografia digital inspirada no poema SALVAR de Tácito de Almeida.

Já com Tácito de Almeida a relação foi com a palavra, com o espírito nômade que salta da sua poesia.  Começou com o Guy enviando por email o poema SALVAR, de Almeida, sugerindo alguma conexão com trabalhos de uma série de fotos que produzi em 2004. Li o poema e as frases ficaram na cabeça até surgir a imagem ‘mata web’. Fiz uma analogia entre o sentido dos ‘(…) longos passeios desoladores’  do poeta e minhas constantes viagens pelas ondas da web. Assim como ele eu também corro por florestas de luzes frias e assombradas por vultos desconhecidos que trafegam à deriva, em caminhos impossíveis de salvar. ‘Mais um desejo, amigo’, diria eu mesmo à Tácito não fosse os quase noventa anos que separam nossos desejos perdidos. Abaixo o poema na íntegra:

SALVAR

Mais um desejo, amigo!
É preciso soltar,
Pelas florestas frias e adormecidas,
Todos os nossos desejos tímidos,
Procurando mesmo assombrá-los,
Para que fujam, para que corram
E se desviem por todos os lados…

Mais um desejo!
É preciso que a pálida vida,
Nos seus longos passeios desoladores,
Encontre sempre um desejo perdido
Que ela saivá salvar…

( Editado na revista KLAXON – nº 6 – pág. 6 – em 15 de outubro de 1922 – São Paulo )

para saber mais acesse: www.100menos10.com.br

Acima, foto da montagem das obras na Galeria Theodoro Braga, em Belém/PA. Foto: Alberto Bitar

Semana de Arte Moderna de 22 é tema da Mostra 100 menos 10

Posted in Uncategorized on fevereiro 10, 2012 by flavyamutran

Noventa anos se passaram desde que um grupo de artistas decidiu mostrar as inquietações de sua época, o que ficou na história como a “Semana de Arte Moderna de 22”. Anita Malfatti e Di Cavalcanti, pintura, Victor Brecherett, escultura, literatura dos irmãos Mário e Oswald de Andrade, arquitetura de Antonio Garcia Moya e música de Heitor Villa-Lobos são alguns dos nomes mais destacados. Curiosamente, a fotografia, já muito usada na época, foi deixada de lado. E é ela que vem agora fazer uma releitura contemporânea do Movimento Modernista.
De 13 de fevereiro até 16 de março na Galeria Theodoro Braga do CENTUR, em Belém-PA, 13 fotógrafos (Alan Soares, Alberto Bitar,  Elza Lima, Emídio Contente, Fatinha Silva, Flavya Mutran, Ionaldo Rodrigues, Luciana Magno, Michel Pinho, Miguel Chikaoka, Luiza Cavalcante, Pedro Cunha, Walda Marques) e 01 artista visual que utiliza a fotografia (Roberta Carvalho), prometem “recontar” essa história, cada um interpretando uma obra modernista.


“100menos10” trás uma visão paraense dos 90 anos da semana que abalou as bases das artes no país. Segundo o curador e idealizador do da exposição, o também fotógrafo Guy Veloso (recentemente curador da pasta de Fotografia Contemporânea Brasileira junto com Rosely Nakagawa na XXIII Bienal Europalia na Bélgica), “mais que um deslumbre nostálgico, queremos desde já levantar questões, trocar estática pela estética. Pensar o que estes 10 anos até o centenário nos reserva”.

Além dos que estiveram presentes em 1922, foram “convidados” à festa Tarcila do Amaral e o paraense Ismael Nery (ambos à época na Europa), tão como um contemporâneo, o ator e diretor Zé Celso Martinez, que até hoje prega os ideais antropofágicos em suas peças. A coletiva contará também com a intervenção da artista Drika Chagas que fará em grafite estilização de desenhos arqueológicos Amazônicos. Um paralelo interessante, já que Roberta Carvalho utilizará simultaneamente técnicas high-tech de projeção digital.

*  Visitação gratuita.

Texto/Assessoria de Imprensa: Deborah Cabral – debbrabelo@gmail.com

PALESTRAS
. “Semana de 22: Tradição e Modernidade” por Ernani Chaves em 16/02, das 18h30 às 21h.
. “Diálogo com a ausência: a fotografia e a semana de arte moderna”, por Michel Pinho em 16/03, 18h30 às 21h.

HORÁRIOS DE VISITAÇÃO EXTENDIDOS
Uma curiosa inovação trazida pelo curador, as “Sessões Coruja”, nos dias 02 e 09/03, quando a visitação se estenderá até 21h
F Sim. É permitido fotografar dentro da galeria durante esta exposição.

SERVIÇO
Abertura: 13 de fevereiro, 19h – (segunda-feira)
Local: Galeria Theodoro Braga-  CENTUR
Av. Gentil Bittencourt, 650, subsolo – Nazaré. Belém-PA.
De 14.02 a16.03.2012, de segunda a sexta-feira, de 09 às 17h30

Twitter: @100menos10
Site: www.100menos10.com.br